Porque sou a favor de cotas raciais

Por Andrés Calil em 17 de Junho/2020 às 17:44

Por muitos anos apoiei as cotas sociais mas discordei das raciais. Sempre me perguntava "por que um negro rico pode ter mais chances de estudar numa faculdade federal do que um branco pobre". Assim não percebia o quão errado eu estava.

Antes de mais nada, eu trabalho com eventos e, de vez em quando, faço uma reunião de vendas de uma gigante multinacional. Por motivos óbvios não vou dizer o nome da empresa, porém posso explicar o evento: Vendedores de todos os 27 estados se reúnem para formular as estratégias do próximo ano. Ao todo são cerca de 3000 pessoas que comparecem ao evento.

Todavia observando aquela multidão de pessoas eu um dia me perguntei "quantos negros tem aí?". Nesse sentido meus olhos varreram o saguão do evento e não encontrei nenhum.

No dia seguinte, logo cedo prestei atenção na movimentação de entrada dos vendedores e contei dois. Com a pele preta mesmo, apenas dois. Pardos, não mais do que vinte.

Seja como for, eu consigo entender isso nas comitivas do Sul, mas nas outras? Não fazia sentido. Para fazer sentido eu teria que acreditar que brancos se saíram melhor do que negros em 2978 entrevistas de emprego entre 3000. Assim, algo muito errado aconteceu nessas contratações.


Segundo o IBGE, apesar de serem 55% da população, negros ocupam apenas 30% dos cargos de gerência no país.

Entendendo o racismo estrutural

Talvez você já tenha visto um vídeo onde apresentam imagens para as pessoas e pedem para que elas identifiquem a profissão de cada um. Na maioria das respostas, um branco de terno abrindo a porta de um carrão era um alto executivo, em contrapartida um negro vestindo o mesmo terno e abrindo a porta do mesmo carro foi considerado um motorista para muitos dos entrevistados.

Infelizmente não encontrei o vídeo em nenhum lugar, se você tiver algum link, por favor entre em contato e eu anexo aqui!


Se você perguntar às pessoas qual é a médica e qual é a enfermeira, o que acha que elas responderão?

Esse é o significado do racismo estrutural: As pessoas estão acostumadas a ver negros em posições mais baixas do que brancos. Um mulher branca (ou oriental, como na foto acima) de jaleco é médica, uma negra é enfermeira. Na verdade essa visão é automática do ser humano porque estamos acostumados a ver isso acontecer, então seu cérebro faz essa associação automaticamente, mesmo que você não se importe com a cor da pele das pessoas.

Na verdade é comum - e muito triste - ver pessoas negras tendo esse mesmo tipo de percepção.

Quer exemplos de como o racismo estrutural funciona? 55% da população brasileira é negra, mas...
  • 4% dos parlamentares são negros
  • 29% dos prefeitos do país são negros
  • 30% dos cargos de chefia pertencem a negros
  • 64% dos desempregados do brasil são negros

Por fim, acredito que mesmo entrevistadores que não são racistas escolhem inconscientemente pessoas brancas com maior frequência do que negras para cargos mais elevados, mesmo que seus currículos sejam idênticos. Não é intencional, não é maldade, é apenas hábito. É o que eu acredito (é o que eu quero acreditar) que acontece na empresa supracitada.

O sistema de ensino brasileiro

Postas essas informações, nosso país tem mais um problema muito grave na educação pública: O ensino básico público é péssimo e as faculdades públicas são ótimas.

Nesse sentido a impressão que dá é que esse sistema foi feito intencionalmente para que as classes mais altas se beneficiem de universidades excelentes. Explico: Um aluno de escola pública não recebe o preparo o suficiente para que consiga passar em um vestibular de uma universidade pública.


Mesmo que o aluno de regiões mais pobres se dedique muito, dificilmente ele terá acesso a um ensino de base suficientemente bom para entrar em universidades públicas.

Quem é aprovado é exatamente aquele que estudou em boas escolas particulares e ainda por cima fez alguns cursos - caríssimos - preparatórios para o vestibular.

Esse sistema extremamente injusto faz com que aqueles que estão nas classes mais altas da sociedade tenham acesso à ensino superior gratuito enquanto a população carente fica de fora, terminando o ensino básico sem sequer saber escrever corretamente.

Isso torna as cotas sociais extremamente importantes para diminuir o abismo de classes que existe no Brasil.

Mas o que as cotas raciais tem a ver com isso?

Se você entendeu o que eu escrevi até aqui, vai ser fácil ligar os pontos. Um negro tem menos chances de conseguir encontrar um bom emprego do que um branco com o mesmo currículo.
 
Procurar a imagem de capa para essa matéria em bancos de imagem não deu resultado algum, páginas e páginas de busca mesmo usando o termo "black graduation" e nenhuma foto contendo apenas negros se formando. Os créditos da foto de capa vão para a foto oficial de um grupo de formandos da UNILAB da Bahia.

A única forma de resolver esse problema é fazendo com que o currículo dos negros seja melhor. Quanto mais negros com diploma em cargos altos a sociedade tiver, mais esse tipo de racismo vai enfraquecer naturalmente. Foi para essa remediação que as cotas raciais foram feitas, elas são temporárias apenas até que esse pensamento gerado pela nossa história escravocrata se dissipe.

Em conclusão, se seu filho crescer vendo tantos médicos negros quanto brancos em um hospital, ele não vai mais achar que negros de jaleco são enfermeiros. Esse preconceito inconsciente se quebra e, quem sabe na convenção de vendas de 2035 não hajam tantos vendedores negros quanto brancos?


Mais em Tudo Sobre Nada

© 2020MePixa! - Todos os direitos reservados - Política de Privacidade