A sacada de unir ciência ao marketing

Por Amanda Melo em 28 de Abril/2020 às 10:10

Como a ciência e o marketing pode trabalhar juntos como aliados? Descubra o que é e como o Neuromarketing pode ensinar sobre a mente dos consumidores gerando simultaneamente mais resultados a sua empresa.

A princípio o Neuromarketing mistura neurociência com marketing com objetivo de entender o comportamento do consumidor, por que ele compra e como ele fideliza. Nesse sentido ele aborda o que não está explicito nas pesquisas, nos feedbacks e nem mesmo nos comentários em sites ou redes sociais, por se tratar de motivações que as próprias pessoas desconhecem.

A estrutura do cérebro

Tomar uma decisão não é um processo que ocorre da forma racional, lógica e consciente como costumamos acreditar. Em outras palavras, ele começa inconsciente, quando determinados estímulos ativam partes específicas do cérebro. Nosso cérebro é dividido em três partes.

  • Cérebro Reptiliano: Que controla tudo aquilo que é responsável pela nossa sobrevivência, como respirar, batimentos do coração. Além disso é onde ocorre a ativação de emoções mais primitivas conhecidas como o medo, fome e a raiva.
  • Cérebro Límbico: Processamento de emoções mais complexas, responsável por armazenamento de dados, é ativado por sensações que envolvem os cinco sentidos.
  • Neocórtex: Onde acredita-se que são tomadas as decisões, por ser a parte que controla o raciocínio e o lado social.

Todos os estímulos externos como propagandas, sons, cheiros ou interações com pessoas, ativarão o sistema reptiliano e o límbico, ainda que não tenhamos consciência disso. Após tomada a decisão, o neocórtex racionaliza a situação, dando a sensação de que nossas escolhas foram lógicas.

Resultado de estudos

A Associação Americana para o Avanço da Ciência realizou um estudo mostrando que o ato de escolher pode ser dividido em três partes:

  • O cérebro decide o que vai fazer;
  • Essa decisão aparece na consciência, que transmite a sensação de que está tomando a decisão de forma racional;
  • A pessoa age conforme a decisão tomada.

Já imaginou como seria se cada vez que precisasse respirar ou a cada batida do coração, você recebesse um estímulo consciente? Muito provavelmente você não faria mais nada além de processar esses estímulos, gerando cansaço mental. Da mesma forma algumas decisões nossas ocorrem em “piloto automático”.

Com este vasto conhecimento sobre o funcionamento do cérebro é possível através do Neuromarketing estabelecer estratégias de marketing que acionam exatamente essas partes que responsáveis pela emoção, o cérebro reptiliano e o límbico.

Agora que geramos interesse em você a respeito de como as empresas trabalham um marketing inteligente ou como sua empresa pode refinar seu trabalho de marketing, começaremos a postar novas informações sobre marketing e neuromarketing! Nos acompanhe!

 

Mais em Tudo Sobre Nada

© 2020MePixa! - Todos os direitos reservados - Política de Privacidade